O Portal de notícias da Região

Imagens de satélite rastreiam origem de petróleo em 16 praias da PB

Imagens de satélite rastreiam origem de petróleo em 16 praias da PB

00:38:44 |Quinta-feira, 03 Outubro 2019

 
Praias
Mais de 15 praias da Paraíba foram atingidas pela substância (Foto: Arquivo/portal Correio)

Imagens de satélite rastreiam origem de petróleo em 16 praias da PB

Resultado conclusivo das amostras apontou que a substância encontrada nos litorais trata-se de petróleo cru

0
   

Imagens de satélite começaram a ser utilizadas para rastrear a origem das manchas de petróleo que atingem praias de oito dos nove estados da região Nordeste, desde setembro. A informação é do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Pelo menos 114 praias do Nordeste foram atingidas, sendo 16 localizadas no litoral da Paraíba.

A substância foi encontrada nas praias do Cabo Branco e Tambaú, em João Pessoa; Formosa, Camboinha, Intermares e Poço, em Cabedelo; Jacumã, Gramame, Tambaba e Amor, em Conde; Barra de Camaratuba, em Mataraca; Oiteiro, Lagoa de Praia, Campina e Barra do Mamanguape, em Rio Tinto; e Praia Bela, em Pitimbu. Nenhum animal foi encontrado contaminado, até o momento, no estado.

O resultado conclusivo das amostras, solicitadas pelo Ibama e pela Capitania dos Portos, que teve análise feita pela Marinha e pela Petrobras, apontou que a substância encontrada nos litorais trata-se de petróleo cru, ou seja, não se origina de nenhum derivado de óleo.

Em análise feita pela Petrobras, a empresa informou que o óleo encontrado não é produzido pelo Brasil. Mesmo assim, o Ibama requisitou apoio da empresa para atuar na limpeza de praias. Os trabalhadores que estão sendo contratados pela petrolífera são agentes comunitários, pessoas da população local, que recebem treinamento prévio da empresa para ocasiões em que forem necessários os serviços de limpeza.

“Os banhistas e pescadores não devem ter contato com o material. Caso seja identificado produto no mar ou nas praias, o cidadão deve informar o local à prefeitura. O óleo recolhido deve ser destinado adequadamente, não sendo recomendado misturá-lo com o resíduo comum”, pede o Ibama.

O instituto ainda orienta que, caso alguém encontre animal com óleo, sejam acionados imediatamente os órgãos ambientais para adotar as providências necessárias. O animal não deve ser lavado nem devolvido ao mar antes da avaliação de veterinário. O telefone do Ibama na Paraíba é 83 3198-0800.

Polícia Federal

A Polícia Federal instaurou um inquérito para apurar a origem da substância. De acordo com informações divulgadas nesta quarta (2) pela PF, a ação foi tomada assim que surgiram as primeiras notícias do aparecimento de manchas de óleo nas praias ainda no mês de setembro.

As investigações estão concentradas na Superintendência Regional da PF no Rio Grande do Norte, contando com a participação das áreas de combate aos crimes ambientais, de inteligência e de perícia.

A Polícia Federal afirma que as diligências estão em andamento e contam com a participação de diversas instituições, dentre elas o Ibama, a Marinha do Brasil, Universidade Federal Rural de Pernambuco e o Ministério da Defesa (CENSIPAM).

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) monitora a situação desde o dia 2 de setembro. As manchas chegaram a todos os estados do Nordeste, com exceção da Bahia. Uma investigação do Ibama, com apoio do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, aponta que o petróleo que está poluindo todas as praias seja o mesmo, e a origem não é do Brasil.

Sudema PB

Portal Correio entrou em contato com a Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba (Sudema) para esclarecer o que o Governo do Estado vem fazendo para contribuir com a solução do crime ambiental, mas não obteve resposta

Fonte

Portal Correio
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no WhatsApp

Imagens de satélite rastreiam origem de petróleo em 16 praias da PB

Portal Correio

00:38:44 |Quinta-feira, 03 Outubro 2019

 
Praias
Mais de 15 praias da Paraíba foram atingidas pela substância (Foto: Arquivo/portal Correio)

Imagens de satélite rastreiam origem de petróleo em 16 praias da PB

Resultado conclusivo das amostras apontou que a substância encontrada nos litorais trata-se de petróleo cru

0
   

Imagens de satélite começaram a ser utilizadas para rastrear a origem das manchas de petróleo que atingem praias de oito dos nove estados da região Nordeste, desde setembro. A informação é do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Pelo menos 114 praias do Nordeste foram atingidas, sendo 16 localizadas no litoral da Paraíba.

A substância foi encontrada nas praias do Cabo Branco e Tambaú, em João Pessoa; Formosa, Camboinha, Intermares e Poço, em Cabedelo; Jacumã, Gramame, Tambaba e Amor, em Conde; Barra de Camaratuba, em Mataraca; Oiteiro, Lagoa de Praia, Campina e Barra do Mamanguape, em Rio Tinto; e Praia Bela, em Pitimbu. Nenhum animal foi encontrado contaminado, até o momento, no estado.

O resultado conclusivo das amostras, solicitadas pelo Ibama e pela Capitania dos Portos, que teve análise feita pela Marinha e pela Petrobras, apontou que a substância encontrada nos litorais trata-se de petróleo cru, ou seja, não se origina de nenhum derivado de óleo.

Em análise feita pela Petrobras, a empresa informou que o óleo encontrado não é produzido pelo Brasil. Mesmo assim, o Ibama requisitou apoio da empresa para atuar na limpeza de praias. Os trabalhadores que estão sendo contratados pela petrolífera são agentes comunitários, pessoas da população local, que recebem treinamento prévio da empresa para ocasiões em que forem necessários os serviços de limpeza.

“Os banhistas e pescadores não devem ter contato com o material. Caso seja identificado produto no mar ou nas praias, o cidadão deve informar o local à prefeitura. O óleo recolhido deve ser destinado adequadamente, não sendo recomendado misturá-lo com o resíduo comum”, pede o Ibama.

O instituto ainda orienta que, caso alguém encontre animal com óleo, sejam acionados imediatamente os órgãos ambientais para adotar as providências necessárias. O animal não deve ser lavado nem devolvido ao mar antes da avaliação de veterinário. O telefone do Ibama na Paraíba é 83 3198-0800.

Polícia Federal

A Polícia Federal instaurou um inquérito para apurar a origem da substância. De acordo com informações divulgadas nesta quarta (2) pela PF, a ação foi tomada assim que surgiram as primeiras notícias do aparecimento de manchas de óleo nas praias ainda no mês de setembro.

As investigações estão concentradas na Superintendência Regional da PF no Rio Grande do Norte, contando com a participação das áreas de combate aos crimes ambientais, de inteligência e de perícia.

A Polícia Federal afirma que as diligências estão em andamento e contam com a participação de diversas instituições, dentre elas o Ibama, a Marinha do Brasil, Universidade Federal Rural de Pernambuco e o Ministério da Defesa (CENSIPAM).

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) monitora a situação desde o dia 2 de setembro. As manchas chegaram a todos os estados do Nordeste, com exceção da Bahia. Uma investigação do Ibama, com apoio do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, aponta que o petróleo que está poluindo todas as praias seja o mesmo, e a origem não é do Brasil.

Sudema PB

Portal Correio entrou em contato com a Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba (Sudema) para esclarecer o que o Governo do Estado vem fazendo para contribuir com a solução do crime ambiental, mas não obteve resposta

Publicidade

Fale com a redação!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )